Entenda de uma vez o que são os data brokers

5 minutos para ler

Você já deve saber que, na internet, suas informações podem transitar entre sites sem que você nem perceba. O que acontece é que, apesar de estarem inseridos no âmbito privado de um indivíduo ou de uma empresa, os dados de pessoas físicas e jurídicas têm sido alvo da ação de data brokers.

Eles atuam obtendo informações de usuários de sites e vendendo-as para pessoas ou empresas. Trata-se de uma prática que gera enormes lucros, mas que, muitas vezes, ocorre de maneira ilegal.

Quer entender melhor o assunto e aprender como proteger melhor seus dados? Então, continue a leitura!

Quem são os data brokers?

Os data brokers são sujeitos ou companhias que coletam ou compram, uns dos outros, informações de usuários que navegam na internet. O principal objetivo é melhorar o direcionamento de publicidade para o público-alvo almejado. Porém, a questão é que nem sempre há consentimento para a obtenção dessas informações, e a sensação é a de que estamos sendo vigiados e tendo nossos dados “furtados” constantemente.

Além disso, a situação cria a insegurança de não se saber para o que mais os dados podem ser utilizados. Afinal, entre outras, tem-se notícia de eles servirem para influenciar eleições e reforçar perseguições discriminatórias na internet.

Quais dados os data brokers buscam e como eles fazem isso?

Esses agentes se utilizam de fontes comerciais, governamentais e de amplo acesso para obter as informações buscadas. Assim, lojas virtuais, sites de órgãos públicos, além de redes sociais e blogs são os principais alvos dos data brokers.

Por esses meios, eles buscam coletar dados crus como:

  • nome completo;
  • idade;
  • gênero;
  • endereços;
  • e-mail;
  • imóveis;
  • nível de escolaridade;
  • profissão.

Também são visados os dados derivados, ou seja, aqueles resultantes de interferências já feitas nos que eram antes chamados de crus — o que ocorre a partir do cruzamento de diferentes bases. Com isso, é possível saber as preferências e pretensões de possíveis consumidores.

O que tem sido feito em relação ao problema?

Por estar relacionada à privacidade e à intimidade de pessoas e empresas, a situação despertou a atenção de entidades como a Comissão Federal do Comércio dos EUA, que, em 2017, requereu ao congresso a aprovação de medidas regulatórias dessa indústria.

O objetivo é que a atuação no ramo se dê de maneira legal e evite abusos. Para isso, busca-se permitir que consumidores tenham acesso a uma base centralizada, no exercício do seu direito de saber quais dados seus estão em poder dos data brokers.

Na União Européia, com a entrada em vigor do Regulamento Geral de Proteção de Dados, desde o ano de 2018, se pretende mitigar este problema. No Brasil, a aprovação da Lei Geral de Proteção de Dados, que entrará em vigor em agosto de 2020, também é um recurso na tentativa de eliminar a ação dos data brokers.

Como proteger meus dados?

Como exposto, em meio a tantos sites e recursos online, nem sempre é possível ter ciência de que suas informações estão sendo colhidas, como isso é feito e para quais finalidades. Por esse motivo, é fundamental estar sempre protegido. Na sequência, entenda como é possível fazer isso.

Tenha um antivírus

Em alguns casos, a obtenção de dados pessoais pode ocorrer por meio da instalação de malwares nos computadores dos usuários — entre eles, estão os vírus. Portanto, uma boa estratégia para se proteger é instalando um antivírus eficiente.

Confira sempre a segurança do site

Ao navegar na internet, é comum encontrar endereços não seguros, nos quais são empregados recursos que visam obter informações de quem navega neles. Assim, ao preencher um formulário, por exemplo, os dados podem estar sendo desviados para outras finalidades diferentes das imaginadas pelo usuário. Portanto, ao entrar em qualquer site, verifique se ele é HTTPS, pois essa forma de navegação garante maior segurança.

Em um contexto de amplo compartilhamento de conteúdos e de informações, é mesmo difícil prever para onde eles vão e no que podem ser utilizados. É exatamente disso que os data brokers se aproveitam. Por envolver a privacidade de pessoas e empresas, além de atos ilegais que podem gerar lucros inimagináveis, a situação é, de fato, complexa.

Porém, agora que você entende melhor o assunto, fica mais fácil se proteger. Coloque em prática as dicas acima, esteja atento e não forneça dados pessoais em sites que você não conhece. Afinal, eles são seus, e é um direito que sejam acessados mediante seu consentimento ou, ao menos, sua ciência.

Para saber mais ainda sobre o assunto, conheça os principais aspectos sobre Big Data e segurança da informação!

Powered by Rock Convert
Você também pode gostar

Deixe um comentário